O Município

Dados do município.

Dados do município/localização

Fundação: 05/02/1985
Emancipação Política: 5 DE FEVEREIRO DE 1985
Gentílico: VARJOTENSE
Unidade Federatíva: CEARÁ
Mesoregião: NOROESTE CEARENSE
Microregião: IPU
Distância para a capital: 297,00

Dados de características geográficas

Área: 179.397,00
População estimada: 18420
Densidade: 102,70
Altitude: 183
Clima: SEMIÁRIDO
Fuso Horário: UTC-3
A origem da palavra Varjota vem do idioma celta, da palavra Barga que possui dois significados: o mais aceito é "pequena várzea", mas também pode indicar "terreno amplo".
O início da história do município de Varjota começou com a construção da capela de Sant’Ana, entre algumas dezenas de casas onde a população foi formando um aglomerado de casas e comércios. Nesse mesmo ano, o engenheiro chefe de serviço de campo, Dr. José Jorge de Abreu Choairy, construiu a hidroelétrica da Chesf e a maioria de rede de energia elétrica nos arredores da localidade, conforme dados colhidos de antigas famílias que povoaram as margens do vale médio do Rio Acaraú.

O surgimento da população de Varjota se deve ao Padre Macário Bezerra da paróquia do Ipu, pois, através do velho pároco ipuense, a localidade de Varjota teve sua Capela construída sobre a égide de Sant’Ana, entre os anos de 1834 a 1840. As principais famílias que habitaram a localidade foram as Bezerra Martins, Melo e Araújo, por volta de 1927 com um aglomerado de casas, onde começou a ser chamada de Vila Varjota. Em 1936, Varjota foi incorporada ao município de Santa Cruz, atualmente Reriutaba, mas só depois de 1946 passou a ser distrito de Reriutaba, ainda no governo do então Dr. Raul Barbosa.

Em 02 de dezembro de 1952, através do engenheiro do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS), Luiz Barbosa de Albuquerque, começou a construção do majestoso Açude Araras, naquela época o maior do Nordeste, hoje o quarto maior. Com os rumores de que depois de construído o grande reservatório, Varjota seria totalmente submersa, o povo começou a despovoar o pequeno distrito, migrando-se para o acampamento provisório dos técnicos e funcionários localizado jusante à barragem. O desenhista Francisco Pio de Farias, auxiliar do Engenheiro Luís Saboia, acompanhou todos os trabalhos do Açude Araras, entre eles o desmatamento e as estradas de acesso ao açude e as primeiras edificações do atual acampamento.

Logo depois, o engenheiro Luís Sabóia foi transferido para a 4º SC (Sessão de Construção) na sede do distrito de Secas e Jairo, para construção do açude Quixabinha em Muriti, região do Cariri. Assim, em novembro do mesmo ano, o engenheiro Francisco Aguiar Carneiro assumiu a chefia da construção do açude Araras. O engenheiro Carneiro conclui a construção do pequeno reservatório Ararinha (hoje submerso pelas águas do Açude Arara), que foi usado como o reservatório destinado a fornecer água para abastecer a construção da barragem do açude Araras.

Desde os anos 70, o atual município de Varjota, conhecido anteriormente como Araras e Vila Varjota, então distrito de Reriutaba, já possuía os requisitos necessários para se emancipar. A ausência de forças políticas adiou o processo emancipatório que só veio a ocorrer em 1984, graças ao enfraquecimento político decorrente da disputa pelo poder entre o prefeito e o vice-prefeito de Reriutaba (Ivan do Vale Rego e João Macedo Ximenes). Esta disputa resultou na intervenção estadual no município.

Depois de um longo processo na Assembleia Legislativa, no dia 21 de abril de 1984 realizou-se em todo o município de Reriutaba o plebiscito referente à emancipação política do então distrito. Compareceram quase 9.070 dos eleitores inscritos, que votaram pelo sim à emancipação.

Elevado à categoria de município com a denominação de Varjota, pela lei estadual nº 11007, de 05-02-1985, desmembrado de Reriutaba.

Situada na porção noroeste do Estado do Ceará, no bioma caatinga, o município de Varjota é conhecido na região pelo Açude Araras, que, atualmente, além de ser uma atração turística, especialmente por ocasião da "sangria" de suas águas, é fonte de riqueza para as cidades e povoados situados às suas margens, graças ao pescado, à agricultura irrigada e de vazante e ao suprimento de água potável. Oficialmente, o Açude de Araras é chamado de Açude Paulo Sarasate, sendo o quarto maior açude do Ceará, com uma bacia hidráulica com capacidade para 1 bilhão de metros cúbicos. É administrado pelo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS). O município destaca-se na região por ter um comércio dinâmico e forte e, mais recentemente, por ser um pólo de fruticultura irrigada.

Segundo estimativas do IBGE, a população estimada pelo Censo Demográfico de 2010 é de 17.593 habitantes, com predomínio de jovens na faixa etária de 10 a 14 anos. Referente ao ano de 2009, o Produto Interno Bruno (PIB) do município na agropecuária é de 19,95%, na Indústria é de 12,15% e nos Serviços é de 67,90%. Em 2000, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) tinha um valor de 0,668, ocupando a 29ª posição no ranking estadual. Em 2010, o Índice de Desenvolvimento Municipal tinha um valor de 26,97, ocupando 52ª posição no ranking estadual.
Apesar de ser um município relativamente jovem, a cultura na cidade é bastante movimentada pela ação de grupos e pessoas que atuam em diferentes áreas da cena cultural. Há, ainda, inúmeras manifestações culturais típicas da região, tais como o reisado, a vaquejada, o cordel, a cassimirada, os emboladores, além de eventos associados aos festejos religiosos.

Alguns dos grupos e pessoas com atuação em segmentos da cultura local:

Teatro (CIA Criando Arte, Grupo Entrando em Cena,Encena, Os Saltimbancos e Cia Mugangos)
Quadrilha Junina (Grupo Luar do Sertão)
Música (Mestre Antonio Hortencio), Companhia de Musica Entre Cordas (CEC)
Literatura (Mailson Furtado e Gilmara Farias)
Capoeira (Grupo Alforria e Raça)
RisoTerapia (NutriRiso- Grupo de Risoterapia)
Dança (Cia de Dança Dançart)
Os principais eventos culturais são:

Dia do município (5 de fevereiro),
Dia da padroeira Nossa Senhora de Sant'Ana (26 de julho)
Distrito criado com a denominação de Varjota, por ato, de 18-11-1896, subordinado ao município de Ipu.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o distrito de Varjota, figura no município de Ipu.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1933.
Pela lei nº 1540, de 03-05-1935, transfere o distrito de Varjota do município de Ipu para o de Santa Cruz.
Em divisões territoriais datadas de 31-12-1936 e 31-12-1937, o distrito de Varjota figura no município de Santa Cruz.
Pelo decreto-lei estadual nº 1114, de 30-12-1943, o município de Santa Cruz passou a denominar-se Reriutaba.
Em divisão territorial datada de 1-07-1950, o distrito de Varjota figura no município de Reriutaba ex-Santa Cruz.
Pela lei estadual nº 1153, de 22-11-1951, o município de Reriutaba, passou a denominar-se Santa Cruz do Norte.
Em divisão territorial datada de 1-07-1955, o distrito de Varjota figura no município de Santa Cruz do Norte ex-Reriutaba.
Pela lei nº 3516, de 22-12-1956, o município de Santa Cruz do Norte volta denominar-se Reriutaba.
Em divisão territorial datada de 1-07-1960, o distrito de Varjota figura no município de Reriutaba ex-Santa Cruz do Norte.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-07-1983.
Elevado à categoria de município com a denominação de Varjota, pela lei
estadual nº 11007, de 05-02-1985, desmembrado de Reriutaba. Sede no antigo distrito de Varjota. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-01-1986. Em divisão territorial datada de 18-08-1988, o município é constituído do distrito sede. Pela lei municipal nº 43, de 1988, é criado o distrito de Croatá e anexado ao município de Varjota. Em divisão territorial datada de 17-1-1960, o município é constituído de 2 distritos: Varjota e Croata. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2005.

Transferências distritais
Pela lei nº 1540, de 03-05-1935, transfere o distrito de Varjota do município de Ipu para o de Santa Cruz. Pelo decreto-lei estadual nº 1114, de 30-12-1943, transfere o distrito de Varjota domunicípio de Santa Cruz para o Reriutaba.Pela lei estadual nº 1153, de 22-11-1951, transfere o distrito de Varjota do município de Reriutaba ex-Santa Cruz do Norte.Pela lei nº 3516, de 28-12-1956, transfere o distrito de Varjota do município de Santa Cruz do Norte para o de Reriutaba.
Fonte
IBGE
Filhos notórios
Mailson Furtado. ator e escritor, ganhador de dois prêmios Jabuti em 2018 com seu livro À cidade, inspirado em Varjota.

Situada na porção noroeste do Estado do Ceará, no bioma caatinga, o município de Varjota é conhecido na região pelo Açude Araras, que além de ser uma atração turística, especialmente por ocasião da "sangria" de suas águas, é fonte de riqueza para as cidades e povoados situados às suas margens, graças ao pescado, à agricultura irrigada e de vazante e ao suprimento de água potável. Oficialmente, o Açude de Araras é chamado de Açude Paulo Sarasate, sendo o quarto maior açude do Ceará, com uma bacia hidráulica com capacidade para 1 bilhão de metros cúbicos. É administrado pelo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS).

O município destaca-se na região por ter um comércio dinâmico e forte e, mais recentemente, por ser um polo de fruticultura irrigada.

Segundo estimativas do IBGE, a população estimada pelo Censo Demográfico de 2010 é de 17.593 habitantes, com predomínio de jovens na faixa etária de 10 a 14 anos.

Área (% em relação ao estado): 0,18.
Distrito: Varjota (sede) e Croatá.
Acidentes geográficos: rio Acaraú, riachos da Farinha e São José.
Clima: quente do semiárido, com temperatura média sempre acima de 18 graus Celsius, com 7 a 9 meses de seca.
Pluviometria: a média anual é de 1.036mm.
Classe de solos predominante: luvissolo crômico (classificação Embrapa)
Distância da capital (Fortaleza) em linha reta: 219 km.
Distância por rodovia: 297 km.
Vias de acesso à capital Fortaleza: BR-020, CE-257, CE-366

O Brasão

Em 2017, como forma de valorizar uma das fontes de economia primaria do município de Varjota, o brasão volta a ter o algodão como uma das três figuras oficiais, posto que remete ao que movia a nossa economia quando no surgimento, na origem de nossa cidade.

Art. 1º - Fica alterado o Brasão do Município de Varjota de acordo com o art.4º da lei Orgânica do Município e art. 13,§ 2º da Constituição Federal, cuja descrição da terminologia heráldica passará a ter a seguinte simbologia:

Escudo, campo em branco e azul céu, contornados de azul anil, com a letra “V” amarela em destaque, ao centro três figuras: o milho, o algodão e o peixe. O brasão ganha contornos com matizações em tons de azul; a letra “V” ganha estilo mais moderno na cor amarelo ouro com contornos dourados; o milho ganha uma estilização moderna, representando a agricultura do município, mantendo as mesmas cores; o algodão que retrata uma das primeiras fontes econômicas do município, o peixe representa a riqueza e a importância do nosso Açude Araras, o fundo do milho e do algodão ganha a cor bege, lembrando o solo rico do município.

Nossa Bandeira

A Bandeira Municipal de Varjota obedece à tradição heráldica, foi criada no ano de 1986 por Evandro Leal Colaço, um ilustre desconhecido e espécie de nômade que passou por Varjota, na época de sua elevação a categoria de Município. Trabalhou como assessor na Prefeitura Municipal. Sujeito intelectual, mas de personalidade exótica. Deixou sua marca no simbolismo de Varjota. Foi embora e nunca mais se teve notícias dele.

Hino municipal

A letra deste Hino é um verdadeiro poema de exaltação ao município de Varjota. Ela fala da nossa origem, da nossa riqueza, da beleza natural da Cidade, da exuberância de suas águas, do heroísmo do seu povo trazendo uma mensagem de otimismo e esperança para o futuro. Foi executado pela primeira vez no dia 1.º de Março de 1997 na Câmara Municipal de Varjota, quando na ocasião foi apresentado oficialmente.
Os símbolos municipais são as formas de representação mais expressivas da imagem das comunidades, e, conseqüentemente, das administrações que as dirigem. O brasão de armas, assim como a bandeira e o selo municipais, são figuras simbólicas, insígnias que representam a identidade do município, a sua evolução política, administrativa e econômica, bem como os seus costumes, tradições, arte e religião.


Autores
Francisco Dos Santos Gomes Gonçalves é o autor da letra do "Hino de Varjota".

Francisco Walney Feitosa é o autor dos arranjos harmônicos.

Antônio Martins Rodrigues (Bimartins) é o autor da adaptação e do arranjo musical para canto

NOTÍCIAS

#Educação | 23 DE SETEMBRO DE 2021

As profissionais receberam novos aventais, toucas, manuais e brindes. Confira as fotos.

#Cultura | 23 DE SETEMBRO DE 2021

Na ocasião, foi eleito nova composição do Conselho Municipal de Cultura.

#MeioAmbiente | 20 DE SETEMBRO DE 2021

Momento cívico em alusão ao dia mundial da Limpeza no último sábado (18/09). Confira as fotos

Qual o seu nível de satisfação com essa página?


Muito insatisfeito

Um pouco insatisfeito

Neutro

Um pouco satisfeito

Muito satisfeito